sexta-feira, 31 de julho de 2015

Novo delator da Lava Jato vai pagar multa de R$ 38 milhões

(© Foto: Marcello Casal Jr/ABr Acusado pelo envolvimento em crimes financeiros, lavagem de dinheiro, corrupção e evasão de divisas no esquema Petrobrás) O novo delator da Operação Lava Jato, Mário Góes, agora em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica, vai pagar multa de R$ 38 milhões por seu envolvimento em crimes financeiros, lavagem de dinheiro, corrupção e evasão de divisas no esquema Petrobras. A multa está prevista na cláusula 14 do acordo de colaboração que firmou com o Ministério Público Federal. O valor será destinado ao ressarcimento 'dos bens jurídicos protegidos', no caso os cofres da estatal petrolífera. Na hipótes de a Lava Jato encontrar depositados em suas contas bancárias mais de US$ 8,5 milhões o valor excedente será acrescido à multa compensatória cível. Góes já realizou 13 depoimentos. Ele revelou caminhos do dinheiro ilícito. Declarou que "o PT dava algum suporte" ao esquema de corrupção na Petrobras - a Diretoria de Serviços, onde Góes transitava, era dirigida pelo engenheiro Renato Duque, indicado pelo partido. Duque está preso. Faz parte da obrigação assumida pelo delator a indicação da estrutura hierárquica e da divisão de tarefas das organizações criminosas "de que tenha ou venha a ter conhecimento". Também terá que apontar pessoas físicas e jurídicas utilizadas pelas organizações para a prática de ilícitos. No acordo de delação que assinou, Mário Góes aceita também pegar uma condenação a pena máxima unificada de 15 anos. Na prática, essa pena será substituída por 'regime fechado diferenciado', ou seja, em sua casa, por um ano e seis meses. Depois, mudará para regime semiaberto e, cumulativamente, prestar serviços à comunidade por quarenta horas mensais. Com informações do Estadão Conteúdo. (Fonte MSN)

OMS anuncia vacina 100% eficaz contra o Ebola

(© Fornecido por AFP (Março) Mulher é vacinada na Guiné, nos primeiros testes clínicos do tratamento) Uma vacina contra o vírus Ebola mostrou-se 100% eficaz durante um teste clínico realizado na Guiné com mais de 4.000 pessoas, anunciaram nesta sexta-feira os principais participantes do projeto. "Uma vacina eficaz contra o vírus ebola está ao alcance da mão em escala mundial", assegurou, em um comunicado, a Organização Mundial da Saúde (OMS), que falou de um "avanço muito promissor". A revista britânica Lancet publicará às 14h00 (09h00 de Brasília) resultados dos testes da vacina, havia anunciado mais cedo a diretora-geral da OMS, Margaret Chan. Se isso for confirmado, estes resultados, que são "emocionantes e promissores", vão "mudar a gestão da crise do Ebola", disse Chan, sem fornecer mais detalhes. A epidemia do ebola na África Ocidental, a maior crise desde a identificação do vírus em 1976, teve início no sul da Guiné, em dezembro de 2013. O vírus infectou 27.748 pessoas e matou 11.279 desde o ano passado no oeste da África. Mais de 99% das vítimas se encontram na Guiné, Serra Leoa e Libéria. (Fonte MSN)

Zimbábue pede aos EUA a extradição do caçador que matou o leão

(© Foto: Paula French/Rex Features O leão Cecil era um macho dominante na reserva) "Pedimos às autoridades competentes a sua extradição (de Walter Palmer, um dentista do estado norte-americano de Minnesota) para o Zimbabué para que possa ser julgado pelas infrações que cometeu", declarou a ministra durante uma conferência de imprensa. O leão Cecil era um macho dominante na reserva e ficou conhecido pela sua notável juba negra e fazia parte de uma investigação científica sobre a longevidade dos leões realizada pela universidade britânica Oxford, usando um colar com rádio transmissor. "Infelizmente, foi tarde demais para prender o caçador estrangeiro, porque já tinha fugido para o seu país de origem" antes do escândalo rebentar, comentou a ministra. De acordo com a ministra, "as investigações realizadas, até ao momento, mostram que esta caça furtiva foi muito bem organizada e bem financiada, com certeza que funciona", disse a ministra, acusando o caçador norte-americano e os seus intermediários locais de "caçar furtivamente leões". O tribunal de Hwange, competente para julgar o caso, apresentou acusações contra o responsável local pela caçada, Theo Bronkhorst. Este responsável foi acusado de "não impedir a caça ilegal" e foi colocado em liberdade vigiada antes do início do julgamento, marcado para o próximo dia 05 de agosto. Honest Ndlovu, o dono da propriedade onde o leão foi caçado será, provavelmente, acusado na semana seguinte. O caçador norte-americano - muito atacado nas redes sociais e por organizações que defendem a causa animal -- defendeu-se, num comunicado, dizendo que fez a caçada de boa-fé, não sabia que era ilegal e lamentou o ocorrido, sem dar mais detalhes sobre o caso. De acordo com uma organização não-governamental do Zimbabué, no início de julho, o leão foi atraído para fora da reserva de Hwange, atingido por um flecha e a sua agonia só terminou 40 horas depois, morto a tiro. A caçada realizou-se à noite. As autoridades norte-americanas também já abriram um inquérito para investigar o caso. (Fonte MSN)

Chamada de ‘gorda’ e ‘feia’, ex-bailarina do Faustão processa a Globo

(© Fornecido por Notícias ao Minuto) A ex-bailarina do Faustão, Rachel Gutvilen, foi demitida em 2013 e, segundo o R7, entrou com uma ação trabalhista e um pedido de indenização por danos morais contra a Globo. Ela acusa os coreógrafos de assédio moral, dizendo que foi vítima de xingamentos e grosserias. Ela alega que, entre 01/09/2010 a 21/10/2013, foi tratada com grosserias e xingamentos. Raquel afirma que em várias situações foi chamada de "gorda", "feia", "cheia de celulite" e acusada de não saber dançar. O processo tem outras ex-bailarinas como testemunhas. Segundo a advogada de Rachel, a emissora venceu a primeira etapa do processo, mas a ex-bailarina recorreu. Procurada pelo R7, a Globo diz que não comenta ações na Justiça.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Polícia prende quadrilha suspeita de falsificar cervejas

(© Fornecido por Estadão) SÃO PAULO - A Polícia Civil prendeu em um salão comercial de Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, uma quadrilha suspeita de falsificar cerveja. Ao todo, 14 homens, flagrados na linha de produção, acabaram detidos e 4.680 garrafas, prontas para serem comercializadas, foram apreendidas. Os suspeitos conseguiam rótulos e tarjas de bebidas mais caras e os aplicavam em produtos de outra marca. As tampinhas usadas nas garrafas eram compradas de catadores que trabalham em lixões, segundo o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), responsável pela ação, que aconteceu na tarde desta segunda-feira, 27. O local em que eram produzidas as cervejas falsificadas, na Rua Tagarela, região do Parque São Pedro, foi descoberto durante outra investigação. Policiais que buscavam envolvidos em um crime contra banco acabaram desconfiando da movimentação no salão comercial e flagrando os suspeitos trabalhando na linha de produção. Lá, os policiais também encontraram rótulos e de tampinhas sujas - os detidos vão responder por crime contra a saúde pública. "Retiravam as tampinhas originais e colocam as outras sem nenhum cuidado com a higiene. O único procedimento era limpar a tampinha suja na camiseta", afirmou o delegado Fábio Pinheiro Lopes, titular da 5ª Patrimônio (Delegacia de Investigações sobre Roubo a Banco).
(© Fornecido por Estadão)
(© Fornecido por Estadão)
(© Fornecido por Estadão) (Fonte MSN)

Presidente da Eletronuclear recebeu R$ 4,5 milhões em propina, diz Lava Jato

(© Foto: André Dusek/Estadão Conteúdo Othon Luiz Pinheiro da Silva foi destido nesta terça-feira) O procurador da República Athayde Ribeiro Costa afirmou nesta terça-feira, 28, que o presidente licenciado da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva recebeu R$ 4,5 milhões de empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato. Ele foi preso temporariamente hoje na 16ª fase da operação, batizada de Radioatividade. + Delator cita propina de 1% ao PMDB e a dirigentes da Eletronuclear em Angra3. + Empreiteiro de Angra 3 cita ‘promessa’ de propina para almirante. A empresa de Otthon da Silva, a Aratec Engenharia, ‘recebeu pagamentos vultuosos’ também de empresas que compõe o Consórcio Angramon. A Aratec recebeu no mesmo período pagamento das empreiteiras Andrade Gutierrez e Engevix, ambas com contratos com a Eletronuclear, por meio de empresas intermediárias, CG Consultoria, JNobre Engenharia, Link Projetos e Participações Ltda., e a Deutschebras Comercial e Engenharia Ltda., ‘algumas com características de serem de fachada’. “No caso mais claro, foi constatado que a empresa CG Consultoria, Construções e Representação Comercial Eireli recebeu entre 2009 e 2012 R$ 2.930.000,00 da Construtora Andrade Gutierrez e transferiu, entre 2009 a 2014, R$ 2.699.730,00 para a Aratec. A CG Consultoria não tem qualquer empregado e na prática, descontados os custos tributários, repassou o recebido pela Andrade Gutierrez à Aratec, empresa controlada por Othon Luiz”, apontou o juiz federal Sérgio Moro, que determinou a prisão temporária do presidente licenciado da Eletronuclear. “A JNobre Engenharia e Consultoria Ltda., que tem o mesmo endereço que a CG Consultoria, depositou R$ 792.500,00 nos anos de 2012 a 2013 na conta da Aratec Engenharia. Nestes mesmos anos, recebeu R$ 1.400.000,00 da Andrade Gutierrez. A aparente utilização dessas empresas como intermediárias de repasses também é evidenciado pela análise dos pagamentos individualizados. A título de exemplo, a CG Consultoria recebeu da Andrade Gutierrez, em 03/2012 e 06/2012, R$ 300.000,00 em cada um desses meses, e repassou R$ 220.000,00 em cada um desses mesmos meses à Aratec Engenharia (evento 25, out12 e out13). Em 08/2011, a CG recebeu também R$ 300.000,00 da Andrade Gutierrez e repassou em 09/2011 R$ 220.000,00 a Aratec. Em 04/2009, algo ligeiramente diferente, tendo recebido da Andrade R$ 300.000,00 e repassado R$ 250.000,00 a Aratec em 05/2009.” Segundo despacho do magistrado, a Deustchebras recebeu, em novembro de 2014, R$ 330 mil da Andrade Gutierrez e, em dezembro de 2014, repassou R$ 252.300 para a Aratec. Alvos dos mandados de condução coercitiva são os executivos Renato Ribeiro Abreu, da MPE Participações, Fábio Adriani Gandolfo, da Odebrecht, Petrônio Braz Júnior, da Queiroz Galvão, Ricardo Ouriques Marques, da Techint Engenharia, Clóvis Renato Peixoto Primoi, da Andrade Gutierrez. COM A PALAVRA, A ANDRADE GUTIERREZ A Andrade Gutierrez está acompanhando a 16ª fase da Operação Lava Jato e destaca que sempre esteve à disposição da Justiça. Seus advogados estão analisando os termos desta ação da Polícia Federal para se pronunciar. (Fonte MSN)

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Impeachment volta para a agenda do Congresso

(© Fornecido por Estadão Protestos anti-Dilma reúnem milhares em São Paulo) Rejeitada em abril pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e depois abandonada pelo PSDB, a proposta de pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso deve voltar para agenda do Legislativo após o recesso. Depois de romper oficialmente com o governo no dia 17, o peemedebista decidiu tirar os pedidos da gaveta e pediu que seus autores ajustassem os documentos dentro das exigências regimentais. O procedimento é incomum. Quando as petições não se enquadram no formato, elas normalmente são remetidas direto ao arquivo. A iniciativa foi a senha para que os grupos de oposição à presidente Dilma Rousseff selassem um pacto informal de não agressão com o presidente da Câmara. Apesar de ter sido acusado por um dos delatores da Operação Lava Jato de ter recebido propina, Cunha será poupado nas manifestações contra a corrupção marcadas para o dia 16 de agosto. Em contrapartida, os ativistas esperam que os pedidos de impeachment, agora devidamente formatados e encorpados, sejam acolhidos. Se antes negava de forma veemente que não encamparia a tese, agora Cunha faz mistério sobre a possibilidade de usar o expediente como mais um elemento de pressão sobre o Planalto. Segundo um aliado, o presidente da Câmara sinalizou que pode acolher os pedidos depois do recesso e antes das manifestações. Procurado pela reportagem, Cunha preferiu não comentar.Até agora, 12 documentos foram protocolados na Casa, mas os mais consistentes serão entregues até quinta feira. “Tivemos na sexta-feira uma reunião com o (jurista) Ives Gandra e mudamos nossa argumentação. Acrescentamos pareceres dos juristas Adílson Abreu Dallari e Bernardo Cabral, além dos argumentos do TCU sobre as pedaladas (fiscais)”, diz Carla Zambelli, líder do Nas Ruas e porta-voz da Aliança Nacional dos Movimentos Democráticos, coalizão que reúne dezenas de grupos anti-Dilma que estão organizando as manifestações do dia 16. “Não vamos para cima do Cunha no dia 16. Ele tem um papel importante. Nosso foco é o impeachment”, completa. O Movimento Brasil Livre (MBL), que se reuniu com Eduardo Cunha depois da marcha ocorrida em maio entre São Paulo e Brasília, também encorpou seu material. “Nos baseamos na tese das pedaladas fiscais. Apresentamos o parecer completo do jurista Adilson Dallari mostrando que a lei do impeachment é de 1950, portanto anterior a reeleição”, afirma Renan Santos, um dos líderes do MBL. Desde a gestão do ex-presidente Fernando Collor, um presidente da Câmara não acolhe um pedido de impeachment. Se Cunha romper a “tradição”, os requerimentos serão analisados por uma comissão composta por integrantes de todas os partidos com bancadas da Câmara. Entusiasmo: O rompimento de Cunha com o governo e a manifestação do dia 16 reascendeu na bancada do PSDB o entusiasmo com a tese do impedimento. Os tucanos reconhecem que Dilma ainda tem força para vencer em plenário, mas avaliam que os pedidos já seria mais um fator de desgaste. “A crise se agravou e o evento do dia 16 tende a influenciar o que acontecerá no dia 17. Se os pedidos tramitarem, o PSDB da Câmara votará a favor”, afirma o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), líder da minoria. Os deputados tucanos retomaram a campanha pelo impedimento nas redes sociais. “Amigos, no dia 16 de agosto vamos voltar às ruas não mais para protestar. Agora vamos pedir o impeachment de Dilma, responsável maior por um governo corrupto, mentiroso e incompetente”, postou no Facebook o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), líder do PSDB na Câmara. “Se ele (Cunha) quisesse arquivar, já teria arquivado. A briga será rua versus plenário”, completa o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), único parlamentar que pediu formalmente o impedimento. / COLABOROU DANIEL CARVALHO. (Fonte MSN)

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Veja truques para enganar a fome repentina no trabalho

(© Getty Images Goleiro Alisson lamenta a eliminação na Copa Libertadores) Se há um clube ciente do que fazer enquanto a Copa Libertadores ‘tira férias', em virtude de competições como a Copa do Mundo, Confederações e América, este é o Internacional. Ou, analisando-se de maneira exigente, era. Pela primeira vez, o clube colorado não aproveitou a chance de reorganizar o time durante a parada do torneio sul-americano e perdeu a oportunidade de brigar pelo tri. Coincidentemente, os dois títulos de Libertadores do clube vermelho do Rio Grande do Sul vieram em edições ‘divididas'. Mas, em 2015, quando o Inter voltou a disputar o torneio com direito a uma parada, a equipe acabará sem mais uma taça para a sala de troféus no Estádio Beira-Rio. Neste ano, o Internacional teve um período de quase dois meses para representar o futebol brasileiro na fase semifinal contra o Tigres. Depois de passar pelo Santa Fé no final de maio, o clube colorado só voltou a ação na competição há uma semana, quando triunfou por 2 a 1 no Beira-Rio e levou a vantagem para o México. A derrota no Rio Grande do Sul não afetou a classificação mexicana e comprovou que o Tigres foi quem melhor aproveitou a parada. O time se reforçou com nomes como Aquino, ex-Villarreal, e Gignac, vice-artilheiro do Campeonato Francês pelo Olympique de Marselha, e massacrou a equipe de Diego Aguirre na volta. A dupla se mostrou decisiva e frustrou o sonho do Internacional de se igualar a Santos e São Paulo como os maiores vencedores brasileiros da Libertadores. Se Gignac mostrou oportunismo e abriu o placar nesta quarta-feira, Aquino saiu ovacionado pelos torcedores, fruto da grande atuação contra os brasileiros. O fracasso no México mancha o aproveitamento perfeito do Inter quando disputou uma Libertadores com ‘paradas'. Tanto em 2006 quanto em 2010, as duas 'edições quebradas' da qual a equipe colorada participara, o clube saiu com a taça em mãos. Há nove anos, quando estreou em edições ‘quebradas da Libertadores', o Inter precisou reverter o duelo de quartas de final contra a LDU. Depois de perder dia 10 maio por 2 a 1, em Quito, a equipe consagrada campeã por Abel Braga triunfou por 2 a 0 no Sul e embalou rumo ao primeiro título. Já em 2010, o gol de Giuliano diante do Estudiantes classificou o Internacional, em 20 de maio, de forma épica para as semifinais. Mais de dois meses depois, em 28 de julho, os gaúchos iniciaram a disputa por uma vaga na final contra o São Paulo. Em agosto veio o título, depois da final contra o Chivas Guadalajara. (Fonte MSN)

Governo Alckmin ainda não propôs reajuste para professores

(© Fornecido por Estadão) Sem negociar o reajuste salarial dos professores durante os 89 dias de greve da categoria, o governo de São Paulo ainda não apresentou nenhuma proposta para o dissídio coletivo. Durante toda a paralisação, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) sustentou que a data-base da categoria era em 1.º de julho e que só iria negociar nessa data. No entanto, 22 dias depois, nenhuma proposta foi apresentada à categoria. Questionada sobre a previsão do valor e da data em que a proposta do reajuste seria anunciada, a Secretaria de Estado da Educação não quis comentar. Os cinco sindicatos que representam os professores da rede estadual disseram estar ansiosos com a demora, já que as aulas do segundo semestre começam no dia 3 de agosto. O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), que manteve a maior greve da história da categoria neste ano para reivindicar o reajuste, promete novos protestos se a negociação não for feita. Desde antes do fim da greve, em 12 de junho, o secretário da Educação, Herman Voorwald, já havia afirmado aos dirigentes dos sindicatos que havia encaminhado estudo com uma proposta de reajuste para o governador, mas que a decisão final e o anúncio seria feito pelo próprio Alckmin. “Estamos em compasso de espera, no aguardo para o governo nos chamar e cumprir aquilo que foi prometido. A nossa data-base é em 1.º de março, mas o governo sempre disse que era em julho e nós esperamos”, afirmou José Maria Cancelliero, presidente do Centro do Professorado Paulista (CPP). Ele, no entanto, acredita que a proposta do governo deve ser de um reajuste bem pequeno. “Se fosse boa, já teriam falado.” Rosângela Chede, do Sindicato dos Supervisores de Ensino do Estado de São Paulo (Apase), também disse não ter “grandes expectativas” com a proposta do governo. “Tendo em vista a demora e que estão noticiando tantas medidas de contingenciamento, principalmente na educação, a nossa esperança é de que eles irão oferecer apenas a correção inflacionária.” Crise: Em maio, durante uma audiência de conciliação judiciária com os grevistas, Voorwald disse que descartava qualquer acordo sobre o reajuste antes de 1.º de julho e que era “impossível” apresentar qualquer valor antes disso. Ele, até mesmo afirmou que, se a arrecadação de impostos no Estado continuasse a cair, nem ao menos o reajuste inflacionário seria possível. Na ocasião, Voorwald disse que o governo tentava algumas ações para frear a queda de arrecadação. Em maio, o governo estadual contingenciou R$ 6,6 bilhões, ou 3,2% do orçamento total, “com vistas a garantir o equilíbrio das contas públicas”. Foi ainda no mês de maio que o governo estadual começou a descontar os dias parados dos professores grevistas. Para a direção da Apeoesp, o corte foi o principal motivo para que os docentes encerrassem a greve sem conseguir ao menos uma proposta de reajuste. No entanto, no início de julho, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o governo pagasse os dias descontados. O valor ainda não foi pago e Alckmin e Voorwald foram intimados a explicar o motivo. Segundo a secretaria, o valor deve ser pago nesta sexta. (Fonte MSN)

Governo usará drones contra o trabalho escravo no campo

(© Foto: Reprodução Ministério do Trabalho recebeu equipamentos que podem voar a 70 metros de altura e mira fazendas com porteira fechada) A partir de agosto será implementada uma importante ferramenta na inspeção das condições de trabalho, especialmente no combate ao trabalho escravo no meio rural. Auditores-fiscais do trabalho do Rio de Janeiro irão utilizar drones, veículos aéreos não tripulados, para monitoramento de locais de difícil acesso. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira, 22, no site do Ministério Público do Trabalho e Emprego. Ao todo, a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Rio recebeu seis drones, doados pelo Ministério Público do Trabalho por meio de Termo de Ajustamento de Conduta firmado com uma empresa alvo de investigação por irregularidades. “O drone não substitui a presença do fiscal, mas será útil no campo, caso encontremos uma fazenda com porteira fechada, por exemplo. Também será importante para localização de barcos de pesca e na checagem do estágio de grandes obras”, declarou Bruno Barcia Lopes, coordenador da Fiscalização Rural da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Rio. Nesta quarta-feira, dia 22 de julho, foi encerrada a capacitação de sete auditores-fiscais do trabalho para operação do equipamento.O curso ocorreu na sede da Superintendência, no Centro do Rio. O objetivo do Ministério do Trabalho é que pelo menos um drone seja doado à Polícia Rodoviária Federal, instituição parceira da Pasta no combate ao trabalho escravo rural e urbano. Policiais também foram convidados para participar do treinamento. Inicialmente, os equipamentos serão utilizados em fase de testes, pois a utilização desse equipamento ainda não é regulada no País. Acoplada a cada drone modelo “Inspire 1”, existe uma câmera apta a fotografar e filmar com resolução de 4K (Ultra HD). Os voos têm duração aproximada de 20 minutos, com alcance de aproximadamente dois quilômetros e a cerca de 70 metros de altura. (Fonte MSN)

WhatsApp permite silenciar amigos chatos e marcar mensagens como não lidas

(© Fornecido por Gizmodo WhatsApp e silenciar) Tem certas pessoas que não calam a boca no WhatsApp. São aquelas que fazem seu smartphone tocar e vibrar o tempo todo, mas que - por um motivo ou outro - você não pode remover. Agora, você pode enfim silenciá-las. A novidade apareceu na versão mais recente do WhatsApp para Android (2.12.194). Ela ainda não está disponível no Google Play: você pode baixá-la através do link whatsapp.com/android. Há duas formas de acessar as novas opções: toque e segure o nome do contato e escolha "Ver contato", ou abra uma conversa e vá até Menu > Ver contato. Lá, você verá o botão "Silenciar". Você pode silenciar contatos por 8 horas, uma semana ou um ano; e decidir se o app deve exibir notificações ou não. Isso funciona da mesma forma que nos grupos do WhatsApp. Também há a opção "Notificações personalizadas". Nela, você pode escolher o som, tipo de vibração, e até a luz LED (se seu smartphone tiver) para cada contato.
(© Fornecido por Gizmodo WhatsApp e notificacoes personalizadas) Há também um novo recurso de "Marcar como não lido". Basta tocar e segurar em um contato e escolher essa opção: vai aparecer um círculo verde no lado direito.
(© Fornecido por Gizmodo WhatsApp e marcar como nao lido) Vale lembrar que isso não desfaz o tique duplo azul: ou seja, seu contato saberá que você visualizou a mensagem, mesmo se marcá-la como não lida depois. No entanto, isso pode ser útil para uma mensagem que você visualizou, mas que ainda precisará da sua atenção. E parece que o WhatsApp vai receber mais alguns recursos em breve. O app conta com a ajuda dos usuários para traduzir a interface em diferentes idiomas, e menciona termos que indicam duas novidades: gravar chamadas do WhatsApp de forma nativa; e guardar uma cópia criptografada do seu histórico no Google Drive.
(© Reprodução) (Fonte MSN)

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Chance de obesos voltarem a peso normal é menor que 1%, diz pesquisa

(© Fornecido por BBC Estratégias que combinam dietas e exercício 'não estão dando certo', dizem cientistas) As chances de voltar ao peso normal dentro de um ano, depois de estar obeso, é apenas uma em 210 para homens e uma em 124 para mulheres, segundo uma pesquisa britânica. Em casos graves de obesidade, a perda de peso em apenas um ano é ainda menos provável, concluíram pesquisadores da universidade King's College London. O estudo diz ainda que as atuais estratégias de combate à obesidade estão fracassando. A equipe pede "políticas de saúde mais abrangentes" para prevenir a obesidade. A médica Alison Fildes, que liderou a equipe de cientistas, disse que, na Grã-Bretanha, as opções de tratamento disponíveis a obesos não dão certo para a maioria dos pacientes. "É preciso focar o tratamento na prevenção do aumento de peso e na manutenção de perda de peso, por menores que sejam", disse a doutora Fildes. "As atuais estratégias que se concentram em cortar calorias e aumentar a atividade física não estão dando certo para a maioria dos pacientes que querem perder peso e manter isso." Para a médica, a maior oportunidade para combater a "epidemia de obesidade" é mudar a política no nível da população. Registros médicos: O estudo acompanhou o peso de 278.982 homens e mulheres entre 2004 e 2014 através de registros médicos eletrônicos. Estratégias que combinam dietas e exercício 'não estão dando certo', dizem cientistas. Pacientes que perderam peso por causa de cirurgias específicas para isso foram excluídas. Durante a pesquisa, 1.283 homens e 2.245 voltaram ao seu peso normal. Para aqueles considerados obesos (com Índice de Massa Corporal, IMC, entre 30 e 35), a probabilidade de emagrecer em um ano é maior entre mulheres que entre homens. No caso de obesos mórbidos (IMC entre 40 e 45), apenas um em 1.290 homens e uma em 677 mulheres conseguiram emagrecer, segundo a pesquisa. A boa notícia, segundo a doutora Fildes, é que perder 5% do peso é mais fácil. Um em cada 12 homens e uma em cada 10 mulheres conseguiram emagrecer nesta proporção durante um ano. No entanto, a maioria recuperou todo o sobrepeso nos cinco anos seguintes. Mais de um terço dos homens e mulheres estudados atravessaram ciclos semelhantes de aumento e queda de peso. A pesquisa foi publicada na revista médica American Journal of Public Health. (Fonte MSN)

Afinal, o aplicativo Uber é bom ou ruim para as cidades?

(© Raul Aragao/I Hate Flash) São Paulo – O aplicativo Uber tem gerado polêmica nos últimos meses em diversas cidades pelo mundo, inclusive no Brasil. O programa conecta motoristas particulares a passageiros, gerando concorrência para os taxistas, que não gostaram nada da ideia. As entidades que representam os taxistas reclamam de concorrência desleal, uma vez que, para ter um táxi, é preciso pagar por um alvará, enquanto o motorista do Uber não possui nenhuma licença. Já os defensores do aplicativo afirmam que o usuário deve poder escolher qual serviço usar. O serviço já está presente em cerca de 300 cidades, inclusive no Brasil. Mas, afinal, o Uber é bom ou ruim para as cidades onde atua? Para o consultor em engenharia de transporte Paulo Bacaltchuck, professor da Universidade Mackenzie, a concorrência nos serviços de transporte individual é sempre positiva. “Acho que o mercado tem que se regular, e o Uber está aí para isso. Se for necessário baixar os preços dos táxis, que seja. Isso é saudável para o mercado”, defende. Bacaltchuck afirma, porém, que, da forma que está, a concorrência é realmente desleal. “Esses motoristas que atuam pelo Uber não tiveram que ser inspecionados, não têm que comprar alvará. É uma competição desleal. É preciso fortalecer os táxis, torná-los mais competitivos”, argumenta. Legislação: Uma das discussões mais acaloradas envolvendo o aplicativo é sobre a sua legalidade nas cidades brasileiras. Em São Paulo, a Câmara Municipal aprovou em primeira votação um projeto que proíbe o uso de carros particulares cadastrados em aplicativos para transporte remunerado de pessoas. A medida atinge o Uber em cheio, mas ainda não é definitiva. Para virar lei, a proposta precisa passar por uma segunda votação e ser sancionada pelo prefeito Fernando Haddad. Para Frederico Meinberg Ceroy, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Digital, não é possível definir se o aplicativo está dentro da lei considerando apenas a legislação atual. “Precisamos de um marco regulatório voltado para a econômica compartilhada. Só aí saberemos se é legal ou ilegal”, defende. Na opinião dele, “qualquer serviço no mundo tem que ser regulado, senão pode virar um monopólio”. Com uma regulamentação, pode ser estabelecido um piso mínimo de cobrança pelo transporte individual, o que ajudaria a resolver a briga com os taxistas, defende Ceroy. Além disso, regras claras garantiriam que o serviço pague impostos, por exemplo. “O modelo atual não é salutar. É bom para o consumidor, mas não está pagando para o Estado”, lembra o especialista. Mobilidade: É fato que, com o Uber, os consumidores ganham mais opções na hora de escolher o serviço que querem usar. Porém, será que isso tem algum impacto na mobilidade das grandes cidades? Os executivos do Uber têm dito que o aplicativo colabora para tornar a mobilidade nas cidades mais sustentável, por tirar veículos particulares das ruas. Porém, segundo Bacaltchuck, do Mackenzie, não é bem assim. “O Uber não melhora a mobilidade urbana. É um serviço que visa o lucro, não é um serviço de carona com objetivo de economizar dinheiro. Não tem a possibilidade de compartilhar a viagem com outras pessoas, então é um carro na rua como qualquer outro”, afirma o professor. (Fonte MSN)

Eduardo Cunha vai abrir comissões que constrangem Planalto

(© Fornecido por Notícias ao Minuto) O governo tem motivos de sobra para se preocupar com a Câmara. Não bastasse a recém-criada CPI do BNDES, os 11 pedidos de impeachment sob avaliação da Casa e o futuro julgamento das contas da presidente Dilma Rousseff em 2014, sob iminência de serem reprovadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), os deputados, sob comando de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), vão atuar em pelo menos sete comissões especiais que causam, no mínimo, constrangimento ao Palácio do Planalto. Na volta do recesso parlamentar, a Câmara começa a discutir, por exemplo, alteração na Constituição para aumentar, de 15% para 18,7% da receita corrente líquida, o mínimo a ser aplicado pela União em saúde. Essa comissão precisa da indicação de pelo menos 14 dos 27 membros para funcionar. Há ainda propostas parar tirar poder do Executivo, como a comissão que trata da redução do número de ministérios, cujo relator é o líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), afilhado político de Cunha. Também se discute a transferência ao Congresso do poder de indicação de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), atribuição hoje restrita apenas ao presidente da República. Outro tema incômodo será a discussão que torna o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) um instrumento permanente de financiamento público no setor. Criado em 2007, o Fundeb vai até 2020. O aporte de recursos federais saltou de R$ 2 bilhões em 2007 para R$ 5,1 bilhões em 2009 e, a partir de 2010, passou a corresponder a 10% da contribuição de todos os Estados e municípios do País. A Câmara discutirá, ainda, proposta do atual secretário municipal de Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto (PT-SP), para usar recursos da Contribuição Sobre Intervenção no Domínio Econômico (Cide) no subsídio às tarifas de transporte coletivo para a população de baixa renda. Será debatida a isenção da Cide no transporte coletivo urbano municipal e alternativo. Por fim, discute-se ainda a criação de mais um Tribunal Regional Federal, o TRF da 6ª Região, em São Luís (MA). E um projeto que concede isenção na contribuição previdenciária por gastos de empresas com a formação superior de seus funcionários. Com informações do Estadão Conteúdo (Fonte MSN)

Contas de 16 offshores indicadas por operador do PMDB receberam US$ 14 mi, entre 2006 e 2007

Investigadores da Polícia Federal têm como um dos pontos de partidas para tentar comprovar o recebimento de US$ 5 milhões pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um total de 35 operações financeiras feitas pelo lobista e delator da Operação Lava Jato Julio Gerin Camargo com o operador de propinas do PMDB Fernando Antonio Falcão Soares, o Fernando Baiano, entre 2006 e 2007, que totalizaram US$ 14 milhões. A tabela foi montada com base nas informações e documentos fornecidos desde o ano passado por Julio Camargo, dentro de suas delações premiadas. Ela mostra as contas de 16 empresas offshores que eram indicadas por Fernando Baiano para receber a parte da propina dos US$ 40 milhões por dois contratos da Petrobrás para fornecimento de navios-sonda para exploração de petróleo, assinados durante a gestão do ex-diretor de Internacional Nestor Cerveró. “Por volta de julho de 2006 os denunciados Fernando Soares (Fernando Baiano) e Nestor Cerveró, este diretor da área Internacional da Petrobrás na época, em conluio e com unidade de desígnios, cientes da ilicitude de suas condutas, em razão da função exercida por este último, solicitaram, aceitaram promessa e receberam, para si e para outrem, direta e indiretamente, vantagem indevida”, registra a denúncia dos nove procuradores da força-tarefa da Lava Jato, em denúncia formal de março, que embasou a abertura da ação penal. Foram US$ 15 milhões pela contratação do navio-sonda Petrobrás 10000, para perfuração de águas profundas na África. E outros US$ 25 milhões, em 2007, por um segundo contrato para a construção do navio-sonda Vitória 1000, para exploração de petróleo em alto mar no Golfo do México. Os dois contratos foram assinados com o estaleiro coreano Samsung Heavey Industries Co, pelos valores de US$ 586 milhões e US$ 616 milhões, tendo como lobista Julio Gerin Camargo, que confessou ter pago a propina de US$ 40 milhões, via contas secretas de Fernando Baiano no exterior e também usando a lavanderia de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, para disponibilizar valores em moeda no Brasil. + Cunha disse que era merecedor de US$ 5 milhões, afirma delator. + Lava Jato rastreia contas secretas em busca de provas contra Eduardo Cunha. Na quinta-feira, Julio Camargo revelou pela primeira vez nos autos da Lava Jato que em 2011 uma parcela final de US$ 10 milhões deixou de ser paga pela Samsung, gerando uma cobrança inicialmente feita por Fernando Baiano, em nome de Cunha, e depois pessoalmente pelo presidente da Câmara, em encontro que teria ocorrido em um prédio comercial do Rio. Segundo Julio Camargo, Cunha exigiu o pagamento imediato do valor atrasado e disse que do montante ele era “merecedor” de US$ 5 milhões. Tanto o registro das reuniões, em que participaram Cerveró, representantes da Samsung e os lobistas Julio Camargo e Fernando Baiano, como os contratos e registros de pagamentos do estaleiro coreano por esses contratos estão anexados ao processo como prova da propina. “Conforme expressamente consta do ‘Comission Agreement’, os valores deveriam ser pagos pela Samsung na conta da offshore Piemont Investment Corp no Banco Winterbothan, no Uruguai. De fato, pelos extratos bancários desta conta verifica-se a transferência do crédito referente aos dois primeiros pagamentos”, sustenta a força-tarefa da Lava Jato. São duas transferências de US$ 6,2 milhões e US$ 7,5 milhões, efetuados em 8 de setembro de 2006 e 31 de março de 2007. “Exatamente nas datas previstas no contrato de intermediação entre as empresas Samsung e Piemont.” O MPF registra que uma última parcela prevista de US$ 6 milhões deixou de ser paga pela Samsung à Piemonte, virando objeto de disputa. Foi após essa suspensão de pagamentos da empresa coreada que Julio Camargo diz ter suspendido os pagamentos de propina para Fernando Baiano, que relatou estar sendo pressionado por Cunha a receber. Na ação penal que corre em Curitiba, sob a guarda do juiz federal Sérgio Moro, Cunha não é alvo. Nesse processo, em fase final, o Ministério Público Federal sustenta que “as vantagens indevidas (propinas), no valor total de US$ 40 milhões foram estabelecidas após negociações entre os denunciados, de modo que ao mesmo tempo em que tais vantagens indevidas foram oferecidas e prometidas (e pagas) por Julio Camargo, por meio de Fernando Baiano, foram solicitadas e recebidas por Nestor Cerveró”. Os agentes públicos, como Cerveró e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa, eram um braços do esquema de cartel e corrupção na estatal, acreditam os investigadores da Lava Jato. Mantidos nos cargos por partidos e políticos para promoverem as fraudes em contratos e desvios na estatal, em conluio com empreiteiras, é através deles que as apurações têm chegado aos beneficiários finais da propina. Para investigadores da Polícia Federal, em Brasília, da mesma forma que o caminho do dinheiro indicado por Julio Camargo na Suíça para pagar Cerveró, por meio de Fernando Baiano, poderá leva-los até o dinheiro pago ao presidente da Câmara por meio do lobista do PMDB. Cerveró e Fernando Baiano estão presos desde o início do ano, em Curitiba – sede das investigações da Lava Jato que não envolve políticos com foro especial. Cunha é investigado em uma por envolvimento no esquema da Petrobrás em inquérito em fase inicial. Seu nome foi citado também por outros delatores, como o doleiro Alberto Youssef que teria operacionalizado outra parte da propina entregue ao presidente da Câmara. A tabela com 35 operações financeiras em nome de 16 offshores que teriam sido indicadas por Fernando Baiano para Julio Camargo registra pagamentos feitos entre 2006 e 2007, anos em que foram firmados os contratos. Para a Lava Jato, a cobrança feita em 2011 indica que desde o início do esquema fechado por Cerveró e Fernando Baiano com a Samsug, o presidente tinha valores a receber do esquema. Os procuradores registraram ao denunciar Cerveró, Fernando Baiano, Julio Camargo e o doleiro Alberto Youssef – que também confessou ter participado da lavagem dessa propina – que “no âmbito da Petrobrás, o pagamento de propina em contratos de grande valor, como é o caso destes autos (sobre os 2 navios-sonda), era endêmico nas diretorias de Abastecimento, Serviços e Internacional”. COM A PALAVRA, AS DEFESAS. Todos os envolvidos no suposto pagamento de propina por contratos de navios-sonda da Petrobrás negam relação com o caso e contestam a versão dos fatos dada pelo lobista Julio Camargo, um dos delatores da Operação Lava Jato. Desde a divulgação do depoimento de Camargo no qual atribuiu ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a cobrança de US$ 5 milhões em propina, o deputado nega envolvimento com o esquema de corrupção na Petrobrás e alega ser vítima de perseguição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e de integrantes do governo federal. Nélio Machado, advogado de defesa de Fernando Baiano, sustenta que o cliente desconhece os fatos relatados por Camargo e nega ter contas no exterior. Defensor de Nestor Cerveró, Edson Ribeiro nega que o cliente tenha recebido propina pelos contratos dos navios-sonda. (Fonte MSN)

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Temer diz que decisão de Cunha é pessoal e não tem respaldo no PMDB

(Imagem Wikipedia) BRASÍLIA - O vice-presidente Michel Temer, que é presidente nacional do PMDB, divulgou no início da tarde desta sexta-feira uma nota deixando claro que a posição de rompimento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com o governo é pessoal e não tem respaldo institucional do PMDB. "A manifestação de hoje do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, é a expressão de uma posição pessoal, que se respeita pela tradição democrática do PMDB. Entretanto, a presidência do PMDB esclarece que toda e qualquer decisão partidária só pode ser tomada após consulta às instâncias decisórias do partido: comissão executiva nacional, conselho político e diretório nacional", diz a nota. Cunha anunciou nesta sexta-feira que a partir de agora é oposição e que defenderá que o seu partido faça o mesmo. (Fonte MSN)

São Paulo não cede, e mexicanos desistem de Luis Fabiano

(© Gazeta Press Luis Fabiano reclama com assistente após gol anulado de Centurión) Luis Fabiano não vai trocar o São Paulo pelo Cruz Azul. Os mexicanos, que tinham interesse no atacante, desistiram do negócio diante da alta pedida do clube tricolor, que não abriu mão de receber 3 milhões de dólares (R$ 9,4 milhões). O jogador tem mais quatro meses de contrato. Conforme apuração da ESPN, após ouvir a exigência do São Paulo, o Cruz Azul deu um prazo de pouco mais que 14h para que o clube brasileiro repensasse sua pedida. A equipe tricolor, contudo, seguiu irredutível, o que motivou o fim das negociações na manhã desta sexta. Luis Fabiano chegou a pedir sua liberação, por entender que essa poderia ser sua última chance de um grande contrato na carreira. O São Paulo, porém, quer contar com o atacante para o restante da disputa do Campeonato Brasileiro. O Cruz Azul, por sua vez, já tem um plano B para reforçar seu ataque, mas a apuração da reportagem conferiu que não se trata de outro brasileiro. (Fonte MSN)

Hacker rouba R$ 30 mil de apresentadora do “Bom Dia Brasil”

(© Fornecido por Notícias ao Minuto) Nesta quinta-feira (16), o jornalista Leo Dias, publicou em sua coluna no jornal “O Dia”, que a âncora do “Bom Dia Brasil” da Globo, a jornalista Ana Paula Araújo, foi vítima de um hacker, que lhe deu um grande prejuízo financeiro. O hacker teria invadido a conta bancária da jornalista e roubou R$ 30 mil, porém banco de Ana Paula assumiu o prejuízo e tratou de ressarci-la. A jornalista apresentava o “RJTV 1º Edição”, mas assumiu a bancada do “Bom Dia Brasil”, ao lado de Chico Pinheiro, após a saída de Renata Vasconcellos, que foi transferia para outras atrações da Globo. (Fonte MSN)

Acuado, Eduardo Cunha anuncia rompimento com a presidente Dilma

(© Antonio Cruz) O que na prática já vinha acontecendo, agora é oficial: Eduardo Cunha (PMDB-RJ) acaba de anunciar seu rompimento formal com a presidenta Dilma Rousseff. Acuado após um delator da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, tê-lo acusado de ter recebido 5 milhões de dólares em propinas, o até então todo-poderoso presidente da Câmara convocou a imprensa nesta sexta-feira pela manhã para anunciar o fato. Cunha culpa o Governo pelos vazamentos de depoimentos envolvendo seu nome, e após as denúncias do lobista Julio Camargo entrou em guerra declarada com os petistas. Mais informações: Presidente da Câmara cobrou 5 milhões de dólares, diz delator Brasília entra em ebulição com a nova fase da Operação Lava Jato OPINIÃO: "Fica, Dilma!", por Rodolfo Borges Procuradoria do DF abre inquérito contra Lula por tráfico de influência OPINIÃO: 'Vendem-se milagres!', por Luiz Ruffato Lava Jato tem aval do Supremo para investigar políticos PMDB reforça votos de disputar a presidência em 2018 e Temer vira alternativa David Fleischer: “Prestígio de Cunha sai abalado e ele perde poder de barganha” "Saiba que o presidente da Câmara agora é oposição ao Governo. Eu, formalmente, estou rompido com o Governo. Politicamente estou rompido", afirmou o peemedebista durante o breve anúncio. Ele fez questão de frisar, no entanto, que este fato não irá afetar a governabilidade: "Nada deixará de ser pautado ou impedido. Teremos a seriedade que o cargo ocupa". O vice-líder do Governo na Câmara, deputado Sílvio Costa (PSC-PE), anunciou pouco depois que vai pedir o afastamento temporário de Eduardo Cunha do comando da Casa. “Do ponto de vista legal, Cunha tem a seu favor a presunção da inocência, mas do moral, perdeu as condições de ocupar a presidência". Ele afirmou, porém, que age como parlamentar e não em nome da vice-liderança do Governo. Até o momento trata-se de uma posição individual de Cunha, uma vez que o PMDB, partido do vice-presidente Michel Temer, continua na base petista, mas o parlamentar disse que irá tentar inverter a situação: "Eu vou tentar que meu partido vá para a oposição". Ele disse ainda que caso esse seja o caminho escolhido pela legenda, será preciso devolver os ministérios. O presidente da casa ainda fez questão de tentar se diferenciar dos petistas presos durante a operação Lava Jato, e disse que "essa lama, em que está envolvida a corrupção da Petrobras, cujos tesoureiros do PT estão presos, eu não vou aceitar estar junto dela". As palavras de Camargo ao juiz Sergio Moro, porém, mostram que Cunha terá de empenhar muita energia para não ter a imagem vinculada à corrupção. O vazamento dos depoimentos de Camargo na tarde desta quinta veio em um momento inoportuno para Cunha, que vai ao ar em rede nacional de TV na noite de hoje para falar sobre as realizações do primeiro semestre da casa. Ontem ele havia classificado as denúncias como mentirosas, e disse que o delator está sendo pressionado por alguém para acusá-lo. O presidente da Câmara chegou a citar o nome do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, como possível artífice da acusação. "Acho estranho que na véspera da eleição para procurador-geral e um dia antes de eu ir falar na TV aconteça isso" , afirmou. (Fonte MSN)

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Com início empolgante, Guerrero iguala Sheik, supera Romário e R10 e mira Love

(© Gilvan de Souza/Fla Imagem Guerrero comemora o gol contra o Náutico, seu segundo pelo Flamengo) O início de Guerrero com a camisa 9 do Flamengo tem sido fulminante. Depois de gol e assistência na partida contra o Internacional, na última semana, ele marcou de novo, desta vez na vitória de 2 a 0 sobre o Náutico, na Arena Pernambuco, o peruano chegou aos dois gols em dois jogos com a camisa rubro-negra. Início animador e igual ao do companheiro de ataque, Emerson Sheik. Mas acima de muita gente de qualidade que passou pelo clube nos últimos anos: Romário, Adriano, Luizão, Hernane, Petkovic e Ronaldinho Gaúcho. Acima de todos está Vagner Love e sua invejável marca de cinco gols nos quatro primeiros jogos com a camisa do Flamengo, marcando em todos eles, em 2010. Love só empacou na quinta partida. Romário, então melhor do mundo, passou o primeiro jogo com a camisa 11, um Fla-Flu, em branco. Só marcou no segundo jogo oficial, contra o Americano, em 95. Adriano teve duas estreias com camisa do Flamengo. Primeiro ao subir para os profissionais, em 2000. Estreou em branco contra o Botafogo, mas fez gol na segunda partida, contra o São Paulo, no Morumbi. Na volta ao clube, já como Imperador, em 2009, ele anotou na estreia, contra o Atlético-PR, mas não fez contra o Sport, na segunda partida.
(© Gilvan de Souza/Fla Imagem Guerrero celebra o seu segundo gol com a camisa do Flamengo) Luizão, em 2006, marcou na estreia, contra o Friburguense, mas não no segundo jogo. O mesmo aconteceu com Hernane, o Brocador. Ainda uma revelação em 2012, ele entrou durante um jogo contra o Coritiba e fez um gol na vitória de 3 a 1. Na segunda partida, sem sucesso. Ídolo dos rubro-negros, Petkovic anotou na estreia em 2000, contra o Santos no Maracanã, vitória de 4 a 1. Mas no segundo oficial o Gringo não marcou. Ao seu lado no elenco atual, Guerrero tem o rival à altura, Emerson Sheik. Ainda desconhecido do grande público, ele estreou ao entrar durante a partida em um Fla-Flu pelo Carioca de 2009. O Flamengo perdia e Emerson fez o gol do empate em 1 a 1. Na segunda partida, Sheik fez de novo, contra o Remo, pela Copa do Brasil. E a sequência parou por aí. Guerrero, por enquanto, mantém a perseguição a Love. "Estou me sentindo bem. Cada dia me acostumando com os novos companheiros, me adaptando ao grupo, ao técnico. Estou feliz pelas coisas estarem acontecendo do jeito que eu quero", disse ele à ESPN Brasil. Na lista de artilharia de grandes jogadores que passaram pelo clube nos últimos anos está o agora tricolor Ronaldinho Gaúcho. Na estreia, contra o Nova Iguaçu, no Engenhão, ele não fez gol. Mas na segunda partida, vitória de 1 a 0 sobre o Boavista, ele fez o primeiro pelo Rubro-Negro, de pênalti. Ausente contra o Corinthians, Guerrero vai estrear no Maracanã no sábado, contra o Grêmio. Mais uma chance de se manter na trilha e de colocar mais um tijolo na tentativa de construir a idolatria pelo clube da Gávea. Confira abaixo os dois primeiros jogos oficiais dos jogadores abaixo: Romário - 1995 Fla 0x0 Flu - Não fez Fla 3x0 Americano - fez 1 Petkovic - 2000 Fla 4x1 Santos - fez 1 Fla 5x0 América - Não marcou Adriano - 2000 (Estreia profissional) Fla 2x2 Botafogo - Não marcou São Paulo 2x5 Flamengo - fez 1 Luizão - 2006 Flamengo 3x3 Friburguense - fez 1 Flamengo 1x1 ASA - Não marcou Emerson - 2009 Fla 1x1 Flu - 1 gol Fla 2x0 Remo - 1 gol Adriano - 2009 Fla 2x1 Atlético-PR - fez 1 Sport 2x2 Fla - não fez Vagner Love - 2010 Fla 2x1 Bangu - fez 2 Fla 3x2 Americano - fez 1 Fla 5x3 Flu - fez 1 Fla 3x3 Olaria - fez 1 Ronaldinho - 2011 Fla 1x0 Nova Iguaçu - não marcou Fla 1x0 Boavista - Fez 1 Hernane - 2012 Fla 3x1 Coritiba - fez 1 Fla 1x0 Santos - Não fez Guerrero - 2015 Internacional 1x2 - fez 1 Náutico 0x2 Fla - fez 1. (Fonte MSN)

terça-feira, 14 de julho de 2015

Conheça a dieta do metabolismo rápido

(© Fotolia.com O gengibre é um ótimo ingrediente para acelerar o metabolismo) Para perder alguns quilinhos, as pessoas fazem todos os tipos de loucura. Uma nova dieta que tem virado febre por aí é a dieta do metabolismo rápido, ou metabolismo acelerado. Ela consiste em consumir alimentos que ajudam a acelerar o metabolismo, fazendo com que percamos calorias mais rapidamente. Mas será mesmo que essa dieta é saudável? Ou seria ela uma vilã para a saúde? Consultamos a nutricionista Jaqueline Fagundes, da rede Mundo Verde, que nos contou como funciona essa novidade. Segundo Jaqueline, primeiro é preciso entender como funciona o metabolismo. "Quando nosso metabolismo diminui nosso corpo queima o mínimo de calorias para poupar tudo que conseguir. Na dieta do metabolismo rápido não se pode pular refeições e deve-se tomar água na quantidade adequada". Sendo assim, na alimentação, entram carboidratos, proteínas e gorduras saudáveis; e ficam de fora doces, refrigerantes, álcool e os produtos a base de glúten e derivados de leite de vaca.
(© Fotolia.com A pimenta também funciona para acelerar, mas cuidado com os excessos) Quais são os alimentos que aceleram o metabolismo? Alimentos como chá verde, gengibre, café, chá mate, chá branco, chocolate meio amargo, pimenta do reino, pimenta vermelha, canela, guaraná em pó, óleo de coco, legumes, frutas, vegetais (por conterem boas quantidades de vitaminas do complexo B que atuam no metabolismo de energia), cereais integrais, peixes fonte de ômega 3 e, claro, água. Qualquer um pode aderir? Há contraindicações? Para a nutricionista, qualquer pessoa saudável pode seguir a dieta. “Apenas temos que ficar atentos para quem é hipertenso, já que pode haver alguma alteração de pressão com alimentos estimulantes. E também para pessoas que sofram de doenças estomacais, que não se indica o consumo de alimentos com potencial irritante da mucosa gástrica, como o chá verde”. Esta dieta é saudável? A profissional salienta que devemos valorizar tudo que nos traga hábitos melhores. Sua recomendação é que, antes de aderir a qualquer dieta, é preciso procurar um profissional capacitado, pois cada um de nós possui sua individualidade metabólica e esta dieta não substitui o acompanhamento de um nutricionista. Ela enfatiza ainda que “dietas da moda não promovem reeducação alimentar, logo, não mantemos estas mudanças e a perda de peso não se faz duradoura”. Por isso, além da alimentação, devemos aliar sempre uma atividade física, já que o exercício também acelera o metabolismo, dentre outros inúmeros benefícios. Quais cuidados devemos ter ao seguir dietas? O maior cuidado é não fazer grandes restrições. “Quando restringimos muito nossa alimentação e damos mais importância as calorias dos alimentos do que a sua qualidade nutricional corremos o risco de ter uma ingestão deficiente de nutrientes”, conclui a profissional. (Fonte MSN)

Agentes deixam apartamento de Collor com malote e advogado do Senado questiona ação da PF

(© Fornecido por Estadão O ex-presidente e senador Fernando Collor, no Senado) Brasília - Seis agentes da Polícia Federal deixaram o apartamento funcional ocupado pelo senador Fernando Collor (PTB-AL) por volta das 9h40 desta terça-feira levando um malote. Os agentes saíram depois de cumprirem um mandado de busca e apreensão no imóvel. De acordo com o advogado-geral do Senado, Alberto Cascaes, a PF levou um chaveiro para abrir as portas. "Trouxeram o chaveiro, arrombaram a porta, pegaram o que queriam e foram embora sem dar satisfação", disse o advogado que representa a Casa Legislativa. A ação no imóvel foi marcada por um bate-boca entre agentes da PF e integrantes da polícia legislativa. De acordo com Cascaes, a PF se recusou a apresentar o mandado de busca à polícia legislativa e não deixou ninguém entrar no apartamento. Para o advogado do Senado, a PF cometeu um erro pois tradicionalmente ações de busca em casas de parlamentares acontecem com participação da polícia legislativa. A Polícia Federal cumpre nesta terça-feira 53 mandados de busca e apreensão envolvendo pelo menos três senadores, um deputado federal, além do ex-ministro das Cidades Mário Negromonte (PP-BA) e o ex-deputado federal João Pizzolatti (PP-SC). Também foram alvo das ações os senadores Ciro Nogueira (PP-PI), Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), além de Collor. O deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), líder do PP na Câmara, também foi alvo das ações. A operação, batizada de Politeia, é a primeira deflagrada no âmbito dos inquéritos abertos em março no Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar suposto envolvimento de políticos no esquema de desvios da Petrobras. As ações estão sendo realizadas em Brasília e em seis Estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Alagoas, Bahia, Santa Catarina e Pernambuco. (Fonte MSN)

PF faz busca em endereços de políticos investigados na Operação Lava Jato

SÃO PAULO - A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (14) uma operação que tem como alvos políticos investigados na Operação Lava Jato. Entre os alvos de mandados de busca e apreensão estão o presidente do PP, Ciro Nogueira (PI), Fernando Collor de Mello (PTB-AL), Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) e Eduardo da Fonte (PP-PE). A ação, batizada de Politéia, visa ao cumprimento de 53 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em seis processos que estão em curso na corte, relacionados ao esquema de corrupção na Petrobrás. A PF busca cumprir 12 mandados no DF, oito em Pernambuco, 11 na Bahia, sete em Alagoas, cinco em Santa Catarina, cinco no Rio de Janeiro e cinco em São Paulo. As medidas decorrem de representações da PF e do Ministério Público Federal nas investigações da Lava Jato que tramitam no Supremo. "O objetivo é evitar que provas sejam destruídas pelos investigados", informa a PF. Também foi autorizada, pelos ministros Teori Zawascki, Celso de Mello, e Ricardo Lewandowski, apreensão de bens que podem ter sido adquiridos com recursos provenientes do esquema de corrupção. As buscas ocorrem nas residências dos investigados, em seus endereços funcionais, escritórios de advocacia, órgãos públicos e sedes de empresas, como a sede do canal de TV controlado por Collor, em Alagoas. Em Pernambuco, oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos na manhã desta terça-feira (14). No Estado, foram alvo das buscas endereços ligados a dois políticos pernambucanos: o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) e do líder do PP na Câmara, Eduardo da Fonte. O nome de Ciro, que preside o PP, e do senador e ex-presidente Collor foram citados pelo doleiro Alberto Youssef, um dos delatores da Lava Jato, como beneficiários do esquema de desvios da Petrobrás. Junto ao material apreendido com o doleiro, por exemplo, foram encontrados oito comprovantes de depósitos a Collor. Já Fernando Bezerra foi citado pelo ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa. De acordo com o diretor, Bezerra teria pedido em 2010 R$ 20 milhões para a campanha à reeleição do então governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), morto em 2014 . Na época, Bezerra Coelho era secretário de Desenvolvimento da administração de Campos. No Supremo Tribunal Federal (STF), 48 são políticos, entre senadores, deputados e ex-parlamentares, são alvos de inquéritos que apuram suposto envolvimento de parlamentares e autoridades na Lava Jato. Politéia, em grego, faz referência ao livro "A República", de Platão, que descreve uma "cidade perfeita", na qual a ética prevalece sobre a corrupção. (Fonte MSN)

Operação Lava Jato, grande demais para ‘acabar em pizza’?

(© Gil Ferreira Estátua da Justiça, localizada em frente ao STF) O banqueiro Daniel Dantas foi preso no dia 8 de julho de 2008. No dia seguinte, pouco mais de 24 horas depois, Dantas era solto graças à concessão de um habeas corpus relâmpago. Era o início da conturbada e estridente Operação Satiagraha, deflagrada pela Polícia Federal para investigar crimes financeiros e lavagem de dinheiro, e anulada quatro anos depois, sob a alegação de que contou com a participação não autorizada de agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). O mesmo destino coube a operações de tamanho e impacto semelhantes, como Castelo de Areia, Chacal, Banestado e Boi Barrica, todas relacionadas a crimes de colarinho branco e todas anuladas após anos de investigação, num histórico que assombra a Operação Lava Jato. Operação Lava Jato chega à ‘joia da coroa’ e se aproxima de Lula Ex-diretor da Petrobras preso fecha cerco sobre núcleo duro da Lava Jato Juiz nega habeas corpus preventivo para impedir prisão de José Dirceu Um vendaval para a economia: UTC, a construtora que cresceu e multiplicou doações eleitorais Acareações de delatores e contra-ataque do PT turbinam Lava Jato Não há garantias de que a Lava Jato venha a ter um destino diferente dessas outras operações, mas o grande trunfo da investigação que levou os maiores empreiteiros do país para a cadeia pode estar exatamente no seu tamanho monumental. Com pouco mais de um ano de existência, a Lava Jato já recuperou 570 milhões de reais, abriu 20 ações criminais contra 103 pessoas e baseou tanto a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a Petrobras quanto a de uma apuração sobre os recursos da campanha de reeleição da presidenta Dilma Rousseff no âmbito do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Pela amplitude, a operação teria se tornado "too big to fail", ou grande demais para ser anulada. Como voltar atrás após tantos executivos assumirem culpa no cartório? Mas não falta vontade aos advogados de defesa que atuam no caso de tentar derrubar toda a Lava Jato. Criminalistas como Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defende três senadores no caso, enxergam abusos nas prisões preventivas decretadas pelo juiz Sergio Moro e na forma como foram negociadas as delações premiadas de 19 dos acusados até agora. Doutora em Direito Penal pela Universidade de São Paulo (USP), Marina Coelho Araújo explica que, por ser tão grande, a Lava Jato disseminou vários processos, que podem tomar rumos diferentes, mas acredita que "alguma coisa vai ser anulada". A advogada criminalista, que atuou em casos como o da Operação Satiagraha, lembra que, na época da investigação sobre o dono do grupo Opportunity, também se imaginava que o caso era grande demais para ser anulado. Sobre a Lava Jato, ela acredita que "os procuradores não tomaram todos os cuidados para evitar a anulação" e que o futuro da operação vai depender da interpretação das cortes superiores sobre a forma como o dispositivo da delação foi utilizado. “Entendo que existem algumas questões graves, mesmo de procedimentos menores. E o caso do Banco Santos, por exemplo, foi anulado por causa da audiência de interrogatório. Uma coisa pequena. A anulação não vem só de coisas muito grandes. Não seguiu a lei, tem de anular”, comenta. Em maio deste ano, a Justiça anulou a condenação a 21 anos de prisão imposta em 2006 ao ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira, do Banco Santos, pelos crimes de gestão fraudulenta de instituição financeira e lavagem de dinheiro, entre outros. O maior escândalo de corrupção da história sangra os cofres da maior empresa estatal do país e põe à prova novamente a eficácia de um sistema processual penal de uma duvidosa eficácia e crônica benevolência com crimes econômicos que envergonham o país. Trecho da dissertação de mestrado de Diogo Castor de Mattos, procurador da Lava Jato. O ministro Marco Aurélio Mello é um dos juízes do Supremo Tribunal Federal (STF) que mais tem comentado o caso, e nem sempre de maneira abonadora. Em uma de suas últimas declarações sobre a Lava Jato, dada ao jornal Valor Econômico, Mello descartou a anulação da operação como um todo, mas criticou a colocação de escutas clandestinas na cela do doleiro Alberto Youssef na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O ministro lamentou a " discrepância" que "coloca em xeque" um "trabalho que vem sendo feito com tanta seriedade", acrescentando que "é possível separar a parte comprometida, se houver". Política: Membro da força-tarefa da Operação Lava Jato, o procurador Diogo Castor de Mattos evita comentar diretamente a investigação, mas lança até o final do ano um livro que joga luz sobre os caminhos que a Justiça brasileira tem percorrido para levar à anulação todas as grandes operações contra crimes de colarinho branco. Para ele, as decisões que levam à nulidade são essencialmente políticas. Assegurando que os investigadores da Lava Jato procuram "trabalhar sempre na legalidade", Mattos disse ao EL PAÍS que não acredita que os responsáveis por operações como Satiagraha ou Castelo de Areia foram menos cuidadosos. Em sua dissertação A seletividade penal na utilização abusiva do habeas corpus dos crimes de colarinho branco, defendida em fevereiro na Universidade Estadual do Norte do Paraná, o procurador constata que "pela via do habeas corpus, há decretação da nulidade de provas de diversas ações penais envolvendo pessoas abastadas economicamente, autores de crimes do colarinho branco”. Segundo Mattos, “o objetivo nodal da pesquisa é demonstrar que essa utilização abusiva do habeas corpus vem reforçando o caráter seletivo do direito penal nos crimes cometidos pela elite econômica”. Em seu trabalho, o procurador lembra que “até o início do julgamento da AP [Ação Penal] n°470, também conhecido como 'Mensalão', a Corte Suprema do país registrava apenas quatro condenações criminais, nenhuma com trânsito em julgado, e onze absolvições", e analisa: "Certamente, o notório assoberbamento do STF, como também a benevolência dos julgadores com as teses da defesa, admitindo a análise de inúmeros recursos manifestamente protelatórios de uma decisão que deveria ser irrecorrível, demonstra um sistema pouco eficiente”. Para embasar sua análise, Mattos destaca que, no caso da Satiagraha, crimes financeiros e lavagem de dinheiro, foram anuladas "todas as provas da operação, independentemente daquelas em que não houve a 'suposta' participação dos agentes de inteligência [ABIN]". Já a Operação Castelo de Areia, que investigava subornos a agentes públicos para fraudar licitações, foi anulada por seu inquérito se basear em denúncia anônima. O procurador aponta uma incoerência, pois "existem aparatos estatais bem sucedidos e institucionalizados como 'disk denúncia' que visavam justamente contar com a contribuição da população para elucidação de crimes e preservam a identidade do delator". O procurador conclui sua pesquisa dizendo que “no atual momento histórico, a pressão e o controle social exercem papéis fundamentais para a efetiva fiscalização do cumprimento efetivo do papel das instituições", destacando que "acontecimentos recentes como o próprio julgamento do Mensalão têm demonstrado como a pressão popular ainda é uma das formas mais efetivas de controle da democracia”. Sem citar a Lava Jato diretamente, Mattos diz no trabalho que "o Brasil vive atualmente um momento histórico único", pois "o maior escândalo de corrupção da história sangra os cofres da maior empresa estatal do país e põe à prova novamente a eficácia de um sistema processual penal de uma duvidosa eficácia e crônica benevolência com crimes econômicos que envergonham o país”. E finaliza: “É nos tempos de crise e dificuldade que surge a coragem para a mudança e inovação, tendo o país uma chance única de renovação na confiança das instituições públicas". A dissertação do procurador terá sua prova de fogo nas cortes superiores do país. (Fonte MSN)

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Whole30 a dieta que está bombando nas redes sociais

(© Fornecido por Notícias ao Minuto) Carnes, peixes, mariscos, ovos, vegetais, algumas frutas, sementes, frutos secos e gorduras saudáveis. E tudo no seu estado mais puro e natural. A dieta Whole30 está na moda e bane da alimentação qualquer alimento anteriormente processado, mesmo o pão integral, laticínios, grãos, legumes, soja, álcool e açúcar. Esta dieta é a mais recente tendência das redes sociais – em especial do Instagram e do Pinterest – e foca-se, em parte, na base da alimentação paleolítica, não sendo permitidos alimentos industrializados que, hoje em dia, acredita-se que tenham um impacto negativo na saúde. Mas esta dieta tem uma particularidade: o desafio e o fato de não se permitirem trocas. Mais concretamente, as pessoas que aderem ao Whole30 comprometem-se a seguir um rígido e saudável plano alimentar durante 30 dias e cada deslize a contagem volta ao zero. Segundo o Business Inside, a ‘febre’ do Whole30 começou em 2009 quando Dallas e Melissa Hartwig criaram um blog para relatar cada passo da nova dieta e os resultados obtidos. O feedback foi de tal maneira positivo que o casal não hesitou em partilhar a sua alimentação nas redes sociais. Hoje, só no Instagram são mais de 150 mil seguidores, no Facebook mais de 230 mil e no site lançado recentemente mais de 1,5 milhões de visitantes. Além de escreverem dois livros sobre este tipo de dieta, o casal lançou o desafio ao mundo ao criar as hashtags #iamwhole30 (com mais de 16 mil publicações) e#whole30recipes (que conta com mais de 22 mil receitas sugeridas no Instagram), usadas para partilhar as refeições feitas pelas pessoas que aderiram ao Whole30. (Fonte MSN)

Maju é promovida à bancada após comentários racistas na internet, diz jornal

Maria Júlia Coutinho, garota do tempo do 'JN', deve assumir o posto de âncora dos telejornais na escala de folgas e feriados dos apresentadores da Globo Após ser vítima de racismo na web, a jornalista Maria Julia,apelidada carinhosamente de Maju por William Bonner, deve ser promovida de cargo na TV Globo. A ideia, que já existia e foi acelarada com a repecurssão e carinhos direcionados à jornalista, é que a garota do tempo do "Jornal Nacional" entre na escala de folgas e feriados dos apresentadores de telejornais. Sendo assim, ela assumirá o posto de âncora. As informações são da coluna "Zapping", do jornal "Agora São Paulo". Ainda segundo a publicacao, ela será testada à frente do "SP TV" e depois em rede nacional. No Twitter, Maju respondeu um comentário agressivo de um internauta. Ela deu um reply e escreveu apenas: "Beijinho no ombro". O caso, no entanto, mobilizou os colegas de trabalho como Bonner e Renata Vasconcellos, que criaram uma campanha nas redes sociais em apoio à jornalista, com a hastag #somostodosmaju. Assim como aapresentadora Gloria Maria - primeira repórter negra da televisão brasileira - famosos como Camila Pitanga e Sheron Menezzes se solidarizaram com a causa. Maju se disse feliz pela campanha de apoio a ela e de repúdio a insultos raciais postados na internet. No 'JN' de sexta-feira (3), ela agradeceu às manifestações de carinho. "Os preconceituosos ladram, mas a caravana passa", disse. Segundo informações do G1, a polícia de São Paulo identificou um adolescente de 15 anos, morador de Carapicuíba (SP) como um suspeito de ter publicado comentários racistas na internet e passará por medidas socio-educativas. O Ministério Público do Estado também instaurou inquérito para apurar o caso. Paolla Oliveira já sofreu preconceito por ser bonita. E por falarem discriminação, Paolla também já foi vítima de sua própria beleza. A atriz, que será a vilã da próxima novela das seis da TV Globo, comentou a situação. "Fui discriminada por ser mulher, por ser atriz e por ser bonita ", disse ela, reforçando a importância da educação nessa batalha. "A gente não tem que se cansar de avisar quem está do lado de propagar uma palavra que seja boa. Eu acredito que é o boca a boca, o dia a dia e a educação que vão mudar isso" (Por Camilla Gabriella) (Fonte MSN)

Lula entra com queixa-crime contra Caiado após ser chamado de 'bandido'

(© Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula Em fevereiro, o senador escreveu em sua conta no Twitter uma mensagem chamando o ex-presidente de "bandido") O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou com um pedido de queixa-crime no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO). A defesa do ex-presidente pede a condenação do senador pelos crimes de "calúnia, injúria e difamação". Em fevereiro, o senador escreveu em sua conta no Twitter uma mensagem chamando o ex-presidente de "bandido". "Lula tem postura de bandido. E bandido frouxo! Igual à época que instigava metalúrgicos a protestar e ia dormir na sala do delegado Tuma", escreveu Caiado na rede social. Para a defesa, a postagem pode ser configurada como crime de calúnia e difamação. No documento, os advogados argumentam ainda que o tipo de afirmação feita por Caiado extrapola a imunidade parlamentar e configurou uma grave ofensa ao ex-presidente. Essa última afirmação foi feita para evitar que o senador alegue imunidade parlamentar para se eximir de culpabilidade pela postagem. O pedido foi protocolado nesta quarta-feira, 8, e ainda aguarda distribuição para um ministro relator. Com informações do Estadão Conteúdo. (Fonte MSN)

'Vejo uma presidente acuada', afirma Aécio

(© Fornecido por Estadão) Brasília - O senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou na manhã desta quarta-feira, 8, que a presidente Dilma Rousseff está "acuada" diante da crise. Ao comentar o alto índice da inflação divulgado hoje, o tucano disse ainda que são os mais pobres que terão de pagar pelos erros cometidos pelo governo. "O que vejo é uma presidente acuada, fragilizada. Uma presidente da República que vem a público para dizer que não vai cair é uma presidente que não se sente segura no cargo", afirmou, ao comentar novamente as declarações que a petista deu ao jornal Folha de S.Paulo. "Eu não vou cair, isso aí é moleza, é luta política", disse Dilma. Ele também voltou a repetir que o PT trabalha para impedir o trabalho das instituições e que é papel da oposição denunciar as irregularidades do governo. "Quero sugerir que as lideranças petistas poupem seus esforços de atacar a oposição e comecem a se preocupar em se defender das gravíssimas denúncias contra a presidente, seja no Tribunal de Contas da União, seja no Tribunal Superior Eleitoral", disse. Inflação. Para o tucano, a inflação, que acumula 8,89% em 12 meses, é resultado da "crise de expectativa" que existe em relação ao governo. "Hoje os brasileiros mais pobres é que pagam o preço mais duro dos equívocos cometidos pelo governo nos últimos anos", afirmou. O senador voltou a ironizar o fato de que o índice está quase no mesmo patamar da popularidade da presidente, que ficou em 9% de acordo com a pesquisa CNI/Ibope divulgada no início do mês. Alckmin. Mais cedo, o governdador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), já havia rebatido a acusação d e Dilma de que parte da oposição tem agido de forma golpista. Para o tucano, “a oposição é necessária” e é tão “patriótico” ser governo como oposição. De passagem pelo Senado, logo após participar de uma audiência pública para discutir a crise hídrica no Estado, Alckmin afirmou que cabe à presidente se pronunciar e explicar as “pedaladas fiscais” e as contas do governo de 2014, que estão sob a ameaça de rejeição pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Se isso ocorrer, pode abrir caminho para um impeachment de Dilma no Congresso. “Quem tem que investigar, investiga. Quem tem que prestar contas, presta. Quem tem que decidir, decide. Nosso compromisso tem que ser com a Constituição. Entendo que, no caso da CPI, a prioridade deve ser investigação, cada dia aparece um fato novo, parece uma história sem fim. É investigação e Justiça que deve ser feita”, afirmou ele. (Fonte MSN)

Mantega vai processar homem que o xingou em SP, diz jornal

(© Ueslei Marcelino/Reuters O ministro da Fazenda, Guido Mantega, que foi alvo de três ataques em público em quatro meses) São Paulo – De acordo com informações da coluna da Mônica Bergamo do jornal Folha de S. Paulo, o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega irá processar o homem que o hoistilizou no final do mês passado no restaurante Trio, em São Paulo (SP). Até o momento, EXAME.com não conseguiu contato com o advogado o ex-ministro, José Roberto Batochio, para confirmar a informação. Em vídeo postado no YouTube, o homem - identificado como executivo de uma empresa do setor imobiliário - ataca o ex-ministro com xingamentos e acusações. Essa foi a terceira vez em três meses que isso aconteceu com o economista que comandou a pasta durante os governos Lula e Dilma. Veja: Segundo a Folha, em maio, Mantega foi alvo de vaias e provocações em um restaurante italiano acompanhado da mulher. Ele teria até tentado responder aos ataques, mas teria sido interrompido por vaias, segundo o jornal. Dois clientes teriam defendido Mantega e pedido educação dos presentes. Em fevereiro deste ano, o ex-ministro também foi hostilizado no Hospital Albert Einstein, quando acompanhava a esposa, Eliane Berger Mantega, que está em tratamento contra um câncer. Na ocasião, um grupo de pessoas que se encontrava na lanchonete do hospital atacou o economista com xingamentos e com críticas dizendo “não tem vergonha na cara, vai para o SUS”. Veja vídeo do ataque a Guido Mantega em fevereiro de 2015: Ataques em série: Mantega não é o único ex-mebro do governo federal a sofrer ataques em público nos últimos dias. Há duas semanas, Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde e atual secretário de Relações Governamentais da cidade de São Paulo, foi alvo de uma homenagem irônica em um restaurante de luxo no Itaim Bibi, em São Paulo. Em vídeo, um homem aparece pedindo a atenção dos clientes, próximo da mesa onde Padilha estava sentado com outras cinco pessoas. "Por favor, pessoal, um minuto de atenção", disse o homem, batendo com o talher em uma taça. “Queria saudar aqui hoje e dizer que temos a ilustre presença do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, que nos brindou com o programa Mais Médicos, da presidente Dilma Rousseff, responsável por um gasto de R$ 1 bilhão que nós todos, otários aqui, pagamos até hoje", afirma em seguida. Ao final do "discurso", o homem pede uma salva de palmas para o ex-ministro. Padilha, que aparece ao fundo da mesa, rebate: "63 milhões de pessoas são atendidas”. (Fonte MSN)

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Há três semanas que cão espera pelo dono à porta do hospital

(© Fornecido por Notícias ao Minuto) Há três semanas, conta o Globo, que um cão se mantém à entrada do Hospital São Francisco, em Ceilândia (Brasília). E porquê? O dono foi ali internado devido a problemas cardíacos e o seu melhor amigo, mais conhecido por Barãozinho, recusa abandonar o local até rever o dono. Depois de identificaram que não se tratava de um cão de rua, funcionários do hospital têm alimentado e tratado do animal, que escolheu um canto na entrada das urgências para passar as noites. “Quando o cachorro apareceu aqui, achei que era um cachorro de rua, como acontece com frequência (...). Comecei a lhe dar comida, mas às vezes chegava e ele estava desesperado, querendo entrar no hospital. Então perguntei a um colega que me respondeu: ‘O dono está aqui, internado'", conta uma recepcionista do hospital ao Globo. Já há, aliás, quem queira adotar o Barãozinho. “Muitas pessoas querem levar [o Barãozinho], mas nós não deixamos”, diz a recepcionista. Quanto ao dono sabe-se que inicialmente foi internado na Unidade de Cuidados Intensivos, devido à gravidade do seu estado de saúde, mas entretanto, melhorou e foi transferido para um quarto. Desconhece-se, porém, quando terá alta. (Fonte MSN)

Aécio se confunde e diz que foi reeleito presidente da República

(© Fornecido por Notícias ao Minuto) Nesta terça-feira (7), o senador Aécio Neves deu a sua primeira entrevista após ser reeleito presidente nacional do PSDB, para a Rádio Gaúcha, no programa Timeline, onde falou sobre o governo de Dilma Rousseff. Em uma entrevista de 20 minutos, o tucano criticou às afirmações de Dilma Rousseff (PT) feitas ao jornal Folha de S. Paulo. Entre as fortes declarações, o senador se confundiu e afirmou que "foi reeleito presidente da República" na convenção de seu partido no último domingo (5) . "O que nós dissemos na convenção que me reelegeu, neste domingo, presidente da República, é que o PSDB é um partido pronto para qualquer que seja a saída. Inclusiva a permanência da presidente. O fato concreto é que ela perdeu as condições políticas de conduzir o Brasil à uma saída rápida para essa crise", disse Aécio. Segundo o site Terra, Aécio foi alertado pelos apresentadores do programa, então se corrigiu e desconversou sobre uma possível candidatura à presidência em 2018. "Não, presidente do PSDB! Estamos longe de 2018. E o partido tem quadros muito qualificados. Temos o governador de São Paulo (Geraldo Alckmin), o senador José Serra. Temos que ter a responsabilidade de não antecipar cenários. Nem sabemos se a eleição será mesmo em 2018", afirmou. (Fonte MSN)

Polícia localiza suspeito de ter feito comentário racista a Maju

(© Foto: Reinaldo Marques/Globo) A Polícia Civil em São Paulo identificou e localizou um dos supeitos de ter feito comentários ofensivos e preconceituosos em uma rede social contra a jornalista Maria Júlia Coutinho, repórter do tempo do Jornal Nacional (TV Globo). O suspeito tem 15 anos. Na quinta-feira, 2, na página oficial do telejornal no Facebook, usuários escreveram posts pejorativos sobre a cor da pele da jornalista, conhecida como Maju, em uma publicação que continha a foto dela com a previsão do tempo para o dia seguinte. O menor, que mora em Carapicuíba, na Grande São Paulo, foi localizado na segunda e levado à delegacia para ser ouvido. Para chegar ao suspeito, os policiais rastrearam as imagens com as mensagens ofensivas e fizeram buscas nas redes sociais para identificar as páginas dos envolvidos. A Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), também solicitou dados cadastrais e números de IPs ao Facebook. O Decradi instaurou inquérito policial para investigar o crime de prática de discriminação ou preconceito de raça. A Secretaria da Segurança Pública informou que a polícia prossegue com as investigações para identificar outros envolvidos. A pena para quem comete esse tipo de crime é de dois a cinco anos e multa - no caso do adolescente, ele responde por ato infracional, podendo, a critério da Justiça da Infância e da Juventude, responder a alguma medida socioeducativa. (Fonte MSN)

Petistas e aliados divergem na tática de apoio a Dilma

(© Fornecido por Notícias ao Minuto) Enquanto as bancadas petistas na Câmara e no Senado optaram por classificar de "golpista" a oposição - "o partido tucano assumiu de vez, e sem qualquer pudor, a camisa do golpismo" -, os aliados preferiram demonstrar na nota assinada por oito siglas da base (PT, PMDB, PDT, PROS, PRB, PC do B, PR e PSD) "convicção" nos argumentos do governo sobre as contas de 2014 e reafirmar "respeito à Constituição e seu inarredável compromisso com a vontade popular expressa nas urnas e com a legalidade democrática". Constrangimento: O presidente do PT, Rui Falcão, queria que a nota dos aliados contivesse um tom mais efusivo em defesa da presidente e menções diretas ao Tribunal de Contas da União. Isso acabou por causar constrangimento aos líderes das siglas da base, que preferiram divulgar uma nota mais "amena" e com apenas citação indireta ao tribunal. Prevaleceu o entendimento de que os ministros do TCU ainda não se pronunciaram sobre o caso das "pedaladas fiscais". Em razão disso, uma citação ao tribunal poderia desencadear uma reação negativa. Falcão chegou com a nota pronta na reunião realizada na Vice-Presidência da República com lideranças da base aliada, mas teve de fazer mudanças defendidas por alguns dos presentes. Foram retirados do texto ataques diretos à oposição, liderada pelo PSDB, do senador Aécio Neves (MG), o que fez com que o PT produzisse suas próprias notas, mais contundentes. "Não há crise política nenhuma, as instituições estão funcionando regularmente", disse Falcão, ao deixar o gabinete do vice-presidente. Chamou atenção o fato de o texto final da nota dos aliados não ter sido assinado por duas legendas da base. O PP, que detém o Ministério da Integração Nacional, e o PTB, que tem indicados no segundo escalão do governo. Somados, os partidos que assinam a nota têm 263 deputados. A nota também não menciona o processo sobre as prestação de contas da última campanha presidencial, que também deverá ser avaliado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), neste segundo semestre. Segundo fontes, isso ocorreu porque o processo imediato a ser avaliado é o do TCU. Com informações do Estadão Conteúdo. (Fonte MSN)

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Saiba como amenizar a enxaqueca causada pelo uso de tecnologia

(© Fornecido por Notícias ao Minuto) Ficar muito tempo em frente a tela computador ou do smartphone pode levar a fortes dores de cabeça e enxaquecas, um resultado que pode minimizar graças a determinados truques apontados pelo Mashable. Deixar as telas dos aparelhos de telefone e do computador sempre em posição mais elevada para evitar assim que fique com a cabeça mais baixa, forçando demais o pescoço. Dar a atenção devida a cada tarefa também pode contribuir para minimizar estas dores de cabeça, uma vez que o ‘multi-tasking’ aumenta níveis de estresse e de falta de concentração. É aconselhável também que na hora de dormir, os smartphones, tablets e computadores fiquem do quarto pois geralmente causam impacto no ciclo do sono e a luz intensa na escuridão pode ajudar a agravar a situação. (Fonte MSN)

Ratinho terá de prestar esclarecimentos na CPI do HSBC

(© SBT FAMOSIDADES) O apresentador Ratinho terá que explicar as movimentações bancárias em suas contas no HSBC de Genebra, na Suíça, na CPI que investiga denúncias de operações irregulares no banco. Na última terça-feira (30), a comissão conseguiu a quebra de sigilo fiscal e bancário de clientes investigados. Segundo a "Agência Senado", o artista do SBT será intimado para dar detalhes sobre a doação de mais de R$ 250 mil feitas ao seu filho, Ratinho Júnior. O dinheiro teria sido usado na campanha eleitoral do político, que foi eleito deputado estadual pelo PSC no Paraná, em 2004. Na época em que o assunto veio à tona, o Grupo Massa informou que todos os bens da família do apresentador foram devidamente declarados aos órgãos competentes. (Fonte MSN)

'Com Luxa', Fla tem mais uma batalha na Justiça contra Ronaldinho

(© Fornecido por LanceNet) Longe do Flamengo desde 2012, Ronaldinho Gaúcho teve um encontro com o Rubro-Negro na manhã desta sexta-feira. Só que desta vez na Justiça do Rio de Janeiro. O jogador cobra pouco mais de R$ 50 milhões em pendências do tempo de Patrícia Amorim. O encontro aconteceu na 9ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho, na Rua do Lavradio, às 10h. De acordo com o vice jurídico Flávio Willeman, o caso segue em segredo de Justiça e não quis dar mais detalhes sobre o caso entre Flamengo e Ronaldinho. - O caso segue em segredo de Justiça. Não podemos revelar nada sobre isso. A audiência está marcada para acontecer amanhã - disse o vice jurídico, que ainda explicou Além do jogador, o técnico Vanderlei Luxemburgo também deve marcar presença na audiência, já que é uma das testemunhas definidas pelo Flamengo na ação. Demitido no mês passado, Luxa era o treinador à época em que o jogador foi flagrado entrando com mulheres no quarto da concentração, em Londrina (PR). A primeira audiência entre as partes aconteceu em novembro de 2012, entretanto, não houve qualquer tipo de acordo. O ex-camisa 10 do Flamengo saiu da Justiça do Trabalho sob vaias e xingamentos de torcedores, que o esperavam na porta do Tribunal. O craque foi recebido com palavras ofensivas, como "mercenário" e "traíra". CASO ADRIANO: Além do Ronaldinho, o Flamengo trava uma longa batalha judicial com Adriano, que cobra cerca de R$ 1 milhão em pendências também da época da então presidente Patricia Amorim. O Rubro-Negro, portanto, tentará uma contestação no caso. - O Flamengo foi notificado e tem um prazo para dar garantias de pagamento. Ele (Adriano) está cobrando uma confissão de dívida assinada pela Patrícia Amorim, em 2012, mas o Flamengo vai contestar isso ainda - finalizou Willeman. (Fonte MSN)